Pages

Vacina Subscribe Twitter

sábado, 23 de outubro de 2010

Em caso suspeito de Sarampo

Compartilhar
Atenção:
A vacina contra o sarampo é a medida de prevenção mais eficaz.
No calendário nacional de vacinação de rotina, a primeira dose deve ser administrada a toda criança de um ano de idade e uma segunda dose àquelas de quatro a seis anos de idade.
Recomenda-se que os adultos nascidos depois de 1960, sem comprovação de nenhuma dose, recebam pelo menos uma dose da vacina tríplice viral (SCR).
Esta vacina não é recomendada a gestantes. Pessoas com algum grau de imunodeficiência, (neoplasias, infecção pelo HIV, quimioterapia, radioterapia, uso de corticóides em altas doses ou alergia comprovada a ovo etc.), devem buscar orientação médica antes de serem
vacinadas.
A vacina tríplice viral (SCR) que protege contra o sarampo, protege também contra a rubéola e a caxumba.
Recomenda-se:
- Manter altas coberturas vacinais e homogeneidade na vacinação de rotina.
- Reforçar a monitorização da cobertura vacinal, a vacinação de rotina, a busca de faltosos e a vacinação de bloqueio. Identificar os não vacinados.
- Alertar os viajantes sobre a necessidade de manterem suas vacinas atualizadas antes de viajar (preferencialmente 15 dias antes da viagem).
- É de grande importância a proteção contra o sarampo aos viajantes principalmente com destino a locais onde há circulação viral atual.
- Reforçar vacinação de profissionais que atuem no setor de turismo, motoristas de táxi, funcionários de hotéis e restaurantes, e outros que mantenham contato com viajantes.
- Reforçar vacinação dos profissionais de saúde, que atenderão os possíveis casos, assim como dos profissionais do setor da educação.
- Aproveitar a oportunidade para atualizar a situação vacinal em relação ao sarampo, no momento de avaliação da carteira de imunização no reinício das aulas ou quando da vacinação de bloqueio em situações de surtos (sarampo, rubéola, caxumba, varicela) em creches e escolas.

- Da mesma maneira, adotar esta prática durante a introdução de novas vacinas no calendário de rotina, como da vacina contra o meningococo no segundo semestre de 2010.
Orientar ao viajante que retorna:
Se apresentar febre e exantema, evitar contato desnecessário com outras pessoas, até que possa ser avaliado por um profissional da saúde e procurar imediatamente serviço médico, informando o trajeto de sua viagem.
Recomenda-se às Vigilâncias Regionais e Municipais de Saúde:
– Alertar seus equipamentos públicos e privados (unidades de saúde de baixa, média e alta complexidade) para que os profissionais de saúde tenham especial atenção aos casos suspeitos de doença exantemática, através dos meios de comunicação possíveis (informes, e-mail, videoconferência, etc.).
Esses casos devem ser imediatamente investigados para verificar se são casos suspeitos de sarampo e/ou rubéola e/ou dengue.
Na detecção de casos suspeitos, as Secretarias Municipais de Saúde devem:
- proceder a notificação imediata em até 24h à Secretaria de Estado da Saúde;
- proceder a investigação adequada de todos os casos;
- proceder a coleta oportuna de espécimes clínicos (sangue, secreção nasofaríngea, urina) para a realização do diagnóstico laboratorial;
- adotar as medidas de prevenção e controle (bloqueio vacinal seletivo);
- orientar isolamento social.
- Fique atento(a):
Definição de caso suspeito de sarampo:
“Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre e exantema maculopapular, acompanhados de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite;
ou todo indivíduo suspeito com história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior”.

0 comentários:

Postar um comentário